Na última semana, do dia 17 ao 20 de abril/2018, aconteceu nas três unidades da Rede Cuca – Centros urbanos de cultura, ciência e arte – em Fortaleza-CE, o primeiro passo do programa Ação Jovem, iniciativa da Rede para o incentivo de ações sociais, criativas e culturais de jovens da periferia da capital cearense.

Em sua sétima edição, o programa tem, pelo segundo ano consecutivo, parceria com o Social Brasilis que acompanha a parte de formação e execução das ações dos jovens em suas comunidades. Demos o ponta pé inicial nessa importante iniciativa da rede que garantiu formação para uma galera jovem da periferia para pensar, projetar e falar sobre suas ideias transformadoras e sobre os sonhos que possuem para a sociedade,sobretudo, para a periferia.

Luíza Guedes facilitadora SB no Cuca Jangurussu

Nas unidades Cuca Barra, Cuca Jangurussu e Cuca Mondubim, que abrangem as regionais IV, V e VI da grande Fortaleza, que correspondem a regiões periféricas dessa capital, aconteceu o curso de elaboração de projetos e captação de recursos do Ação Jovem. Durante a formação, conduzida por facilitadores Social Brasilis, foi abordado temas como inovação, tecnologias sociais, empreendedorismo social, construção de projetos e captação de recursos.

“Foi uma experiência massa, jovens discutindo ideias e temáticas sociais que reforçam nossa visão crítica sobre a sociedade que queremos. O Social Brasilis acredita nisso, que evolução tecnológica e educação empreendedora devem está ao alcance de todos, à começar pelas nossas periferias do Brasil. Grande iniciativa da Rede Cuca, case nacional de trabalho com a juventude – diz Manú Oliveira, fundadora do Social Brasilis que facilitou a formação no Cuca Mondubim.”

Manú Oliveira conduzindo no Cuca Mondubim

Agora, após a formação, os jovens irão escrever suas ideias, colocar no papel aquilo que representam para a transformação da sua comunidade e submeter, até o dia 02 de maio, seus projetos para concorrer a premiação do VII Ação Jovem e ter um protótipo de seu projeto colocado em prática.

 Já tem jovens colocando em prática ferramentas que aprenderam em nossa formação, como é o caso da Miranda Silva, a Yangaga Avalanx, uma jovem trans da zona oeste de Fortaleza que participou da formação na unidade Cuca Barra, que já colocou um crowdfunding (financiamento coletivo) para captar recursos para fomentar seu projeto que é Becha Cearense Ball, um evento voltado para as causas e lutas LGBT a partir do entretenimento e da cena ballroom. O evento será nas comunidades da regional I em Fortaleza com formações em escolas pública, oficinas e um evento de encerramento – Diz Elvis Alves, diretor de comunicação SB e Facilitador Cuca Barra. link para a vakinha online aqui.

Elvis Alves no Cuca Barra

Transformar pessoas, contribuir com o social e gerar representatividade para quebrar esteriótipos, é com essa galera que também nos representa. É no trabalho nas pontas que o impacto social acontece.

#Partiu acompanhar essa galera que transforma.

Eq. Social Brasilis

Deixar Comentário

Translate »